quarta-feira, 1 de julho de 2009

O QUE SHAKESPEARE PENSA DE FIGURAS COMO ZÉ SARNEY

Na peça Noite de Reis, é o nada bobo Feste quem observa: “Uns nascem grandes, alguns adquirem a grandeza, e a outros, a grandeza vem ao encontro”. José Sarney se enquadra na terceira categoria, a dos que atingiram a grandeza pela sorte. O ex-chefe do partido político que legitimara a ditadura militar – o fantoche dos generais - por uma fatalidade tornou-se Presidente da República do Brasil. Thomas Hobbes diz, no Leviatã, que há no homem um desejo perpétuo, incessante, de poder que não cessa senão com a morte. Ele estava pensando em Macbeth e Ricardo III, personagens do seu contemporâneo Shakespeare. Sir Ney se enquadra nesses exemplos. A ocupação do cargo supremo da nação por cinco anos, em vez de deixá-lo saciado, aumentou seu apetite. Seu governo foi um completo desastre: acusado de grossa corrupção; levou o país a maior inflação de sua história; suspendeu o pagamento da dívida externa e quebrou o país. Só conseguiu terminar seu desastroso mandato porque a nação precisava desesperadamente se livrar do fantasma dos generais. Finda a tragédia, Sir Ney não se retirou, voltou ao Senado por um outro “feudo”, o do Amapá, entregando o do Maranhão para os filhos, criando uma dinastia. Representante legítimo das Capitanias Hereditárias, malfadada herança colonial portuguesa- criadas pelos lusos para perpetuar a família no poder. Sir Ney cumpriu a risca esse sistema. Há cinqüenta anos controla – salvo um rápido interregno – a rica capitania do Maranhão, “aquela onde nunca falta água”, dizem invejosos todos os nordestinos. No entanto, é o estado com os piores índices sociais do país, rivaliza com outra unidade “feudal”, Alagoas. Aqueles que acham que Sir Ney vai abandonar a presidência do Senado por ser o maestro do maior escândalo da história da República - não estou exagerando - estão enganados. Nada o tirará de lá. A onipotência e a incompetência são a mãe de seus desmandos. Ele está convencido de que é inocente. Esse é seu estado natural. A única coisa que lhe interessa é a proteção do seu clã. Sir Ney é o emblema do atraso, um velho coronel do Brasil antigo bafejado pela sorte. O avanço das idéias políticas e o aprimoramento das instituições republicanas não chegaram até ele, mesmo que a “constituição cidadã” tenha sido promulgada em seu triste governo. Sir Ney deveria ter seguido o correto exemplo de Fernando Henrique, que ao deixar a presidência foi cuidar de sua fundação. Os britânicos dão o título de “Sir” aos seus cidadãos mais respeitáveis. Títulos que quase ninguém usa mais. Zé Sarney não se enquadra nesse perfil. Ele é um “Sir” medieval. Estou usando uma ironia, já que era assim que os servos chamavam os barões na Idade Média. Mesmo assim o título é elogioso, ele não o merece a não ser pela semelhança com o seu patronímico. Se: “A honra anda por um caminho tão estreito, que por ele só passa um, de frente”, como afirma Shakespeare, Sir Ney não passará por esse caminho. O fim de Sir Ney já chegou, é esse aí, o da desmoralização. É o mesmo que prenuncia o tirano Macbeth: “Já vivi o bastante; o caminho; o caminho de minha vida está declinando em direção do outono de folhas amareladas e tudo quanto sirva de escolta à velhice: o respeito, o amor, a obediência, o apreço dos amigos, não devo procurar tê-los. Em troca virão maldições recalcadas, mas profundas homenagens de adulação, murmúrios que o pobre coração quisera reprimir e não se atreve a recusar”. Eis a nossa vingança!

Por Theófilo Silva

2 comentários:

  1. PASSEATA VIRTUAL #FORASARNEY
    Quarta-feira, dia 15, das 15h às 16h horas.

    Local: Na internet.

    Ponto de partida: Seu computador, telefone celular, PDA, qualquer aparelho que possa enviar uma mensagem de e-mail, SMS, Twitter, etc

    Ponto de chegada: Congresso Nacional

    Sarney: sarney@senador.gov.br

    Senadores: e-mails aqui ou aqui para enviar a todos os senadores

    Como vai funcionar: Na quarta-feira no intervalo das 15h às 16h horas, você que tem um blog, site, Twitter, celular, etc, deverá estampar um “banner” ou selo com a mensagem “#forasarney” e enviar o máximo de mensagens ao Senado.

    Clique e envie e-mail aos senadores!
    As informações fora repassadas para este Blog pela atuante Gusta do Reaja Brasil.
    Valeu, Gusta
    ----------------------
    Maiores informações,
    aqui. Blog #forasarney .

    ResponderExcluir
  2. Aproveitando a idéia da Passeata Virtual “Fora Sarney”, faço aqui a sugestão de que no dia 7 de Setembro de 2009, façamos outra passeata virtual, nos organizando desde já.

    Esta passeata, como a Fora Sarney, começaria no seu computador e terminaria em vários pontos:

    Na presidência da República, No Congresso Nacional, No Supremo Tribunal Federal, na Procuradoria Geral da União, na Assembléia Legislativa de seu estado, no Palácio do Governo do seu estado, na Câmara de Vereadores de sua cidade e na Prefeitura de sua cidade.

    A idéia é enviar o maior número possível de emails de protesto contra a situação atual, da falta de ética, de moral, de honestidade de nossos governantes e parlamentares.

    Denunciaremos o governo federal por agir a margem da lei com a campanha eleitoral antecipada, o que é ilegal, e exigindo, como cidadãos, que fossem tomadas as devidas providências.

    Os e mails seriam mandados para os seguintes enderêços:


    Senado Federal: Alô Senado http://www.senado.gov.br/sf/senado/centralderelacionamento/sepop/?page=alo_sugestoes&area=alosenado
    Câmara Federal: Fale com o deputado: http://www2.camara.gov.br/canalinteracao/faledeputado
    Supremo Tribunal Federal – Central do Cidadão - http://www.stf.jus.br/portal/centralCidadao/enviarDadoPessoal.asp
    Procuradoria Geral da União - pfdc@pgr.mpf.gov.br
    Presidência da República – Fale com o Presidente - https://sistema.planalto.gov.br/falepr2/index.php

    Gostaria de ter a opinião dos leitores com relação a idéia.

    ResponderExcluir